terça-feira, 17 de agosto de 2010

Oficinas de percussão e de construção de instrumentos

Fonte Jornal Gazeta
População tem acesso a oficinas de percussão e de construção de instrumentos
Crianças, adolescentes, adultos e idosos, pessoas dos seis aos 70 anos participam das oficinas gratuitas de percussão iniciadas em julho com data prevista para término no dia oito de agosto, para a realização de uma apresentação oficial no dia 10, com a pretensão de reunir mais de 100 tambores. As oficinas são uma iniciativa do grupo “Prego de Linha”, em parceria com o “Neafro Tambores dos Montes”. O objetivo dos grupos é ir às escolas realizar oficinas como atividades extracurriculares. De acordo com Hilário Bispo, coordenador das oficinas, os alunos participam de oficinas de percussão e construção de instrumentos percussivos. “O objetivo desse projeto é resgatar os valores regionais, em especial os ritmos do nosso folclore Norte-mineiro. Essas oficinas promovem a sensibilidade musical nos alunos”, afirma.No momento, os trabalhos estão sendo viabilizados nos bairros Morada do Parque, Santos Reis e no Centro de Cultura Arte Ofício. Segundo Hilário Bispo, o Grupo Prego de Linha tem por objetivo resgatar a música regional fazendo uma leitura da música experimental. As atividades foram iniciadas em agosto de 2000 e desde então mantêm uma série regular de concertos mensais em sua sede provisória no Núcleo de Dança Luciano de Jesus, localizado na avenida Santos Dumont, 218, Centro. Objetivos O Grupo já realizou uma série de eventos em parceria com outras instituições e espaços, além de atividades voltadas à formação, reflexão e desenvolvimento de conhecimentos relacionados à música. Entre os objetivos principais do grupo estão: a promoção e inserção de crianças e adolescentes de Montes Claros na iniciação musical de percussão. Há ainda o objetivo de trabalhar as possibilidades de reaproveitamento de materiais recicláveis, como lata, tubos de PVC, ferro velho e sucata em geral; ensinar a prática rítmica passando pela história dos ritmos regionais de congado chegando até o samba; e promover uma socialização através da música.“Todos nós somos gerados ao som de um tambor. Durante nove meses ouvimos uma fantástica peça rítmica: o coração da mãe. Diante dessa realidade é necessário se propor à busca do acompanhamento técnico despertando crianças e adolescentes no mundo dos ritmos da caixa de folia, pandeiros, caxixis, berimbal e outros instrumentos percussivos”, explica Hilário.O coordenador das oficinas explica que a iniciação percussiva é trabalhada em etapas que vão da teoria musical à construção de instrumentos musicais, em que os alunos terão contato com elementos com sucata, sementes e tubos de PVC, passando por experimentação prática com os instrumentos de percussão e ritmo no final da oficina, com abordagem histórica e teórica. (PAULA MACHADO)

Um comentário:

narjaraguedes disse...

Seria possível levar estas oficinas para outro município? O que é preciso para que isso aconteça?
Qual o meio de contato com os responsáveis?